Rolling Stone Brasil
Busca
Facebook Rolling Stone BrasilTwitter Rolling Stone BrasilInstagram Rolling Stone BrasilSpotify Rolling Stone BrasilYoutube Rolling Stone BrasilTiktok Rolling Stone Brasil

Como os novos discos do Metallica são melhores que os antigos, segundo Lars Ulrich

Desafiado a escolher músicas que definem a banda, o baterista citou os clássicos, mas destacou como álbuns atuais superam os primeiros

Igor Miranda
por Igor Miranda

Publicado em 12/02/2023, às 14h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Robert Trujillo, James Hetfield, Lars Ulrich, Kirk Hammett, do Metallica (Foto: Frazer Harrison/Getty Images)
Robert Trujillo, James Hetfield, Lars Ulrich, Kirk Hammett, do Metallica (Foto: Frazer Harrison/Getty Images)

Na maioria dos casos, bandas veteranas de rock têm seus primeiros álbuns entre os mais elogiados pelos fãs. Não é diferente no caso do Metallica. Alguns admiradores chegam a dizer que a banda não lançou nada de bom a partir da década de 1990, embora seu disco de maior sucesso, homônimo e também conhecido como Black Album, tenha saído em 1991.

O baterista Lars Ulrich, uma das grandes mentes do grupo ao lado do vocalista e guitarrista James Hetfield, não poderia discordar mais. Em entrevista de 2020 ao jornalista Eddie Trunk, transcrita pelo Blabbermouth, o músico revelou que os discos mais recentes do grupo, como Death Magnetic (2008) e Hardwired… to Self-Destruct (2016), conseguem superar os antigos em aspectos específicos.

+++LEIA MAIS: Metallica arrecada R$16 milhões com campanha beneficente

“Em muitos discos antigos, nós gravamos, aí fomos ouvir seis meses ou um ano depois e ficamos receosos com a mixagem, com alguma introdução, com alguma parte de guitarra, alguma virada de bateria ou algo assim. Para mim, Death Magnetic e Hardwired… to Self Destruct têm maior vida útil em termos de ouvir e questionar as decisões. Ambos ainda estão muito bem na minha ‘lista de críticas’.”

Músicas como “Moth into Flame” e “Halo on Fire” (oriundas de Hardwired.. to Self-Destruct), além de “Cyanide”, “Broken, Beat & Scarred” e “All Nightmare Long” (de Death Magnetic), foram citadas por Lars como grandes exemplos do que ele havia descrito.

+++LEIA MAIS: Pink Floyd, Metallica e Queen ganham tributos em SP

“Estava tocando ‘Cyanide’ há alguns dias, assim como ‘Broken, Beat & Scarred’ e ‘All Nightmare Long’, e elas ainda soam frescas e relevantes como soavam há mais de uma década.”

Resta saber se 72 Seasons, próximo álbum da banda, vai agradar tanto assim. O trabalho chegará a público no dia 14 de abril.

+++LEIA MAIS: Metallica: Novo single é 'música de velho', diz famoso guitarrista youtuber

A música que representa o Metallica

Ainda assim, Lars Ulrich não é bobo. O baterista sabe que as canções antigas, especialmente da década de 1980, significa muito para os fãs.

Por isso, ao ser perguntado a respeito da música que melhor representa sua banda, a escolha recaiu sobre um dos maiores clássicos: “Master of Puppets. A faixa, inclusive, ganhou uma nova popularidade ao entrar na trilha sonora da quarta temporada da série Stranger Things.

+++LEIA MAIS: A melhor música do Metallica na opinião de Lars Ulrich

“‘Master of Puppets’. É mais longa, é como uma jornada, tem a parte de luz e a parte sombria, a pesada e a mais melódica. Além disso, tem uma letra incrível, que se encaixa no que você quiser.”

Outros destaques mencionados por ele incluem “One”, também da década de 1980, e “Bleeding Me”, faixa do contestado álbum Load (1996).

+++LEIA MAIS: Metallica: 'Enter Sandman' é primeira faixa de metal a atingir 1 bilhão de plays no Spotify